E se a Terra ficar 2 °C mais quente?

À medida que as temperaturas do planeta sobem, as discussões sobre as consequências do aquecimento da Terra em 2 graus Célsius se intensificam. Com a trajetória atual apontando para um aumento de 2,7 °C até 2100, a urgência de reduzir as emissões de carbono nunca foi tão palpável. Mas por que a marca de 2 °C é significativa e que ramificações ela carrega?

Leia mais:

O Acordo de Paris e metas de temperatura

O Acordo de Paris, assinado em 2015 por 196 nações, estabeleceu o cenário para combater as mudanças climáticas. Os signatários se comprometeram a limitar o aumento da temperatura global para abaixo de 2 °C acima dos níveis pré-industriais, idealmente limitando-o a 1,5 °C.

Com a proximidade da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28) em Dubai, programada para 30 de novembro a 12 de dezembro, as atenções se voltam ao progresso das nações em relação a esses objetivos.

cop 28
(Imagem: Tada Images / Shutterstock.com)

O acordo reflete um consenso entre os signatários de que ultrapassar 2 °C de aquecimento levaria a resultados catastróficos, exigindo esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. No entanto, alcançar e manter essas metas requer não apenas vontade política, mas também mudanças significativas na produção de energia, padrões de consumo e de uso da terra.

Além disso, o limite de 2 °C simboliza um delicado equilíbrio entre ambição e viabilidade. Enquanto alguns argumentam por metas ainda mais rígidas, como limitar o aquecimento a 1,5 °C, outros afirmam que tais objetivos podem ser inatingíveis dadas o ritmo atual de redução de emissões e limitações tecnológicas. Assim, a COP 28 é um ponto crítico para as nações reavaliarem seus compromissos e intensificarem os esforços para mitigar as mudanças climáticas.

Origens da meta de 2 °C

A origem do limite de 2 °C remonta ao economista William Nordhaus, da Universidade de Yale, na década de 1970, que sugeriu que ultrapassar essa marca lançaria o clima além da adaptabilidade humana. O cientista climático Daniel Swain destacou ao National Geographic a natureza inerentemente política dessas metas, enfatizando seu papel como referências pragmáticas em vez de limiares científicos absolutos.

Em última análise, não há nada geofisicamente sagrado sobre 1,5, ou dois, ou três, ou qualquer outro número específico.

Daniel Swain, cientista climático da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) ao NatGeo

A seleção de 2 °C como meta reflete não apenas um consenso científico, mas também considerações políticas, à medida que as nações lutam para equilibrar o crescimento econômico com a sustentabilidade ambiental. Além disso, o limite de 2 °C serve como um ponto de apoio para a ação climática global, mobilizando apoio para esforços de redução de emissões e fomentando a cooperação internacional.

Veja também  Confira o Olhar Digital News na íntegra

E se a Terra ficar 2 °C mais quente? O que acontece?

derretimento polar
(Imagem: FloridaStock / Shutterstock.com)
  • Michael Mann, diretor do Centro de Ciência da Penn, destaca as consequências perigosas de ultrapassar o limite de 2 °C, conforme delineado em um relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).
  • Estas incluem a perda de gelo marinho no Ártico, ondas de calor exacerbadas, taxas de extinção aumentadas e níveis de mar mais altos, especialmente devastadores para regiões vulneráveis como o Ártico e ilhas de baixa altitude.
  • Além disso, exceder 2 °C de aquecimento coloca em risco a ativação de feedbacks e pontos de inflexão, levando a mudanças irreversíveis no sistema climático da Terra.
  • Isto pode incluir o colapso das calotas de gelo, interrupções nas correntes oceânicas globais e a liberação de metano do permafrost, amplificando a gravidade dos impactos climáticos e minando os esforços para mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

O post E se a Terra ficar 2 °C mais quente? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Origem da Notícia
https://olhardigital.com.br/2024/05/08/ciencia-e-espaco/e-se-a-terra-ficar-2-c-mais-quente/
Autor: {autor}

À medida que as temperaturas do planeta sobem, as discussões sobre as consequências do aquecimento da Terra em 2 graus Célsius se intensificam. Com a trajetória atual apontando para um aumento de 2,7 °C até 2100, a urgência de reduzir as emissões de carbono nunca foi tão palpável. Mas por que a marca de 2 °C é significativa e que ramificações ela carrega?

Leia mais:

O Acordo de Paris e metas de temperatura

O Acordo de Paris, assinado em 2015 por 196 nações, estabeleceu o cenário para combater as mudanças climáticas. Os signatários se comprometeram a limitar o aumento da temperatura global para abaixo de 2 °C acima dos níveis pré-industriais, idealmente limitando-o a 1,5 °C.

Veja também  WhatsApp libera opção de criar Canais para todos; veja como fazer 

Com a proximidade da 28ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 28) em Dubai, programada para 30 de novembro a 12 de dezembro, as atenções se voltam ao progresso das nações em relação a esses objetivos.

cop 28
(Imagem: Tada Images / Shutterstock.com)

O acordo reflete um consenso entre os signatários de que ultrapassar 2 °C de aquecimento levaria a resultados catastróficos, exigindo esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. No entanto, alcançar e manter essas metas requer não apenas vontade política, mas também mudanças significativas na produção de energia, padrões de consumo e de uso da terra.

Além disso, o limite de 2 °C simboliza um delicado equilíbrio entre ambição e viabilidade. Enquanto alguns argumentam por metas ainda mais rígidas, como limitar o aquecimento a 1,5 °C, outros afirmam que tais objetivos podem ser inatingíveis dadas o ritmo atual de redução de emissões e limitações tecnológicas. Assim, a COP 28 é um ponto crítico para as nações reavaliarem seus compromissos e intensificarem os esforços para mitigar as mudanças climáticas.

Origens da meta de 2 °C

A origem do limite de 2 °C remonta ao economista William Nordhaus, da Universidade de Yale, na década de 1970, que sugeriu que ultrapassar essa marca lançaria o clima além da adaptabilidade humana. O cientista climático Daniel Swain destacou ao National Geographic a natureza inerentemente política dessas metas, enfatizando seu papel como referências pragmáticas em vez de limiares científicos absolutos.

Em última análise, não há nada geofisicamente sagrado sobre 1,5, ou dois, ou três, ou qualquer outro número específico.

Daniel Swain, cientista climático da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) ao NatGeo

A seleção de 2 °C como meta reflete não apenas um consenso científico, mas também considerações políticas, à medida que as nações lutam para equilibrar o crescimento econômico com a sustentabilidade ambiental. Além disso, o limite de 2 °C serve como um ponto de apoio para a ação climática global, mobilizando apoio para esforços de redução de emissões e fomentando a cooperação internacional.

Veja também  Quanto pesa o ser humano em outros planetas?

E se a Terra ficar 2 °C mais quente? O que acontece?

derretimento polar
(Imagem: FloridaStock / Shutterstock.com)
  • Michael Mann, diretor do Centro de Ciência da Penn, destaca as consequências perigosas de ultrapassar o limite de 2 °C, conforme delineado em um relatório de 2018 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).
  • Estas incluem a perda de gelo marinho no Ártico, ondas de calor exacerbadas, taxas de extinção aumentadas e níveis de mar mais altos, especialmente devastadores para regiões vulneráveis como o Ártico e ilhas de baixa altitude.
  • Além disso, exceder 2 °C de aquecimento coloca em risco a ativação de feedbacks e pontos de inflexão, levando a mudanças irreversíveis no sistema climático da Terra.
  • Isto pode incluir o colapso das calotas de gelo, interrupções nas correntes oceânicas globais e a liberação de metano do permafrost, amplificando a gravidade dos impactos climáticos e minando os esforços para mitigar as emissões de gases de efeito estufa.

O post E se a Terra ficar 2 °C mais quente? apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: