Eclipse total: variações no terreno e posição podem mudar perspectiva do espectador; entenda

Na próxima segunda-feira (8), seremos agraciados com mais um eclipse total. Contudo, caso você queira estar no caminho total do evento, talvez seja melhor ficar mais à sombra.

Isso porque novos cálculos amadores do caminho do eclipse solar apontam que variações no terreno podem mudar seu ponto de vista ao acompanhar esse e outros eclipses totais e, até mesmo, por quanto tempo o evento é visualizado, ante comparações com estimativas anteriores.

Leia mais:

O problema, segundo o Space.com, é que o estudo (publicado primeiro na Forbes) não foi revisado por pares, o que nos faz ter cautela sobre as descobertas.

Para ver próximo eclipse total, talvez seja melhor ficar na sombra!

  • Como o Olhar Digital vem divulgando em diversas reportagens, o eclipse solar total de 8 de abril será visível em partes dos EUA, México e Canadá;
  • Esse tipo de eclipse se caracteriza pela passagem da Lua em frente ao Sol;
  • Como a Lua é bem pequena em relação à nossa estrela-mãe, sua sombra é estreita, o que significa que a totalidade dura apenas alguns segundos, até podendo chegar a minutos em uma peque parte da superfície de nosso planeta;
  • O Space.com relata que o astrônomo amador John Irwin, no site Besselian Elements, reexaminou a trajetória do eclipse com “ajustes que levam em conta a elevação topográfica, tanto ao redor da extremidade da lua, quanto da superfície da Terra”.
Eclipse solar total visto de Madras, Oregon (EUA) em 21 de agosto de 2017 (Imagem: Aubrey Gemignani/NASA)

A Forbes identificou áreas onde será possível ver diferenças no caminho da totalidade do eclipse. São os seguintes:

  • Denton, Texas (EUA);
  • Effingham, Illinois (EUA);
  • Crawfordville, Indiana (EUA);
  • Frankfort, Indiana (EUA);
  • Kokomo, Indiana (EUA);
  • Fort Wayne, Indiana (EUA);
  • Canton, Ohio (EUA);
  • Cincinnati, Ohio (EUA);
  • Columbus, Ohio (EUA);
  • Finger Lakes, Nova York (EUA);
  • Rome, Nova York (EUA);
  • Sant Antonio, Texas (EUA);
  • Austin, Texas (EUA);
  • Toronto, Ontário (Canadá);
  • Montréal, Québec (Canadá);
  • Drummondville, Québec (Canadá);
  • Lumsden, Newfoundland (Canadá).
Veja também  Caverna na Bulgária famosa pelo seu formato inusitado foi usada em rituais

Neste mapa online, você consegue conferir, com detalhes, as áreas exatas das cidades citadas acima onde será possível ver a variação do eclipse.

No Facebook, a equipe do Besselian se descreve como “equipe de astrônomos amadores dedicados, apaixonados por eclipses solares”, reforçando que o trabalho apresentado nesta reportagem não foi revisado por pares, podendo ser incerto.

O post Eclipse total: variações no terreno e posição podem mudar perspectiva do espectador; entenda apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Origem da Notícia
https://olhardigital.com.br/2024/04/03/ciencia-e-espaco/eclipse-total-variacoes-no-terreno-e-posicao-podem-mudar-perspectiva-do-espectador-entenda/
Autor: {autor}

Na próxima segunda-feira (8), seremos agraciados com mais um eclipse total. Contudo, caso você queira estar no caminho total do evento, talvez seja melhor ficar mais à sombra.

Isso porque novos cálculos amadores do caminho do eclipse solar apontam que variações no terreno podem mudar seu ponto de vista ao acompanhar esse e outros eclipses totais e, até mesmo, por quanto tempo o evento é visualizado, ante comparações com estimativas anteriores.

Leia mais:

O problema, segundo o Space.com, é que o estudo (publicado primeiro na Forbes) não foi revisado por pares, o que nos faz ter cautela sobre as descobertas.

Para ver próximo eclipse total, talvez seja melhor ficar na sombra!

  • Como o Olhar Digital vem divulgando em diversas reportagens, o eclipse solar total de 8 de abril será visível em partes dos EUA, México e Canadá;
  • Esse tipo de eclipse se caracteriza pela passagem da Lua em frente ao Sol;
  • Como a Lua é bem pequena em relação à nossa estrela-mãe, sua sombra é estreita, o que significa que a totalidade dura apenas alguns segundos, até podendo chegar a minutos em uma peque parte da superfície de nosso planeta;
  • O Space.com relata que o astrônomo amador John Irwin, no site Besselian Elements, reexaminou a trajetória do eclipse com “ajustes que levam em conta a elevação topográfica, tanto ao redor da extremidade da lua, quanto da superfície da Terra”.
Veja também  Problemas com sono? Histórias para dormir na voz de famosos podem ajudar
Eclipse solar total visto de Madras, Oregon (EUA) em 21 de agosto de 2017 (Imagem: Aubrey Gemignani/NASA)

A Forbes identificou áreas onde será possível ver diferenças no caminho da totalidade do eclipse. São os seguintes:

  • Denton, Texas (EUA);
  • Effingham, Illinois (EUA);
  • Crawfordville, Indiana (EUA);
  • Frankfort, Indiana (EUA);
  • Kokomo, Indiana (EUA);
  • Fort Wayne, Indiana (EUA);
  • Canton, Ohio (EUA);
  • Cincinnati, Ohio (EUA);
  • Columbus, Ohio (EUA);
  • Finger Lakes, Nova York (EUA);
  • Rome, Nova York (EUA);
  • Sant Antonio, Texas (EUA);
  • Austin, Texas (EUA);
  • Toronto, Ontário (Canadá);
  • Montréal, Québec (Canadá);
  • Drummondville, Québec (Canadá);
  • Lumsden, Newfoundland (Canadá).

Neste mapa online, você consegue conferir, com detalhes, as áreas exatas das cidades citadas acima onde será possível ver a variação do eclipse.

No Facebook, a equipe do Besselian se descreve como “equipe de astrônomos amadores dedicados, apaixonados por eclipses solares”, reforçando que o trabalho apresentado nesta reportagem não foi revisado por pares, podendo ser incerto.

O post Eclipse total: variações no terreno e posição podem mudar perspectiva do espectador; entenda apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: