Ferrovias na Lua? Já existe um estudo em andamento; conheça

No futuro da exploração de recursos da Lua, imaginamos que astronautas precisarão transportar minerais ou outros elementos para as bases utilizando veículos como carros ou buggies espaciais. Mas a superfície lunar nem sempre é a mais tranquila para este tipo de trabalho.

Pensando em tornar essa metodologia mais prática, pesquisadores estão considerando algo bem diferente: um sistema ferroviário que levita e serviria para melhorar o transporte na Lua.

Trata-se de um projeto da NASA chamado FLOAT, sigla para Flexible Levitation On A Track, ou em português, Levitação Flexível em uma Rodovia. O resultado seria conseguir obter, na Lua, um método de fornecer transporte de carga útil autônomo, confiável e eficiente.

Leia mais:

O objetivo é mover cargas úteis de e para zonas de pouso de espaçonaves até a base e transportar solo lunar (regolito) do local de mineração para o local onde os recursos são extraídos ou onde o solo é usado para construção.

Os trilhos para essa rodovia não seriam fixos. Apesar de instalados no solo da Lua, teriam robôs “levitantes” que se movendo sobre os trilhos, que podem, a partir disso, se prevenir de acabarem danificados na planície sinuosa da Lua.

A trilha é flexível e feita de uma camada de grafite que permite a levitação diamagnética, enquanto um circuito flexível gera impulso eletromagnético. Há uma camada é opcional, um painel solar para que, quando exposto à luz solar, o sistema nem necessite de energia externa.

Embora os robôs possam ter tamanhos diferentes, a equipe estima que 100 toneladas de material podem ser movimentadas por vários quilômetros todos os dias.

Veja também  Ataques cibernéticos ameaçam a segurança das Olimpíadas de Paris

A próxima fase de testes do projeto FLOAT terá a fabricação de uma versão reduzida do sistema a ser testada em um ambiente análogo à Lua, bem como em uma melhor compreensão dos impactos ambientais nas pistas e nos robôs, e no que mais é necessário para transformar este conceito em realidade.

Projeto FLOAT poderia funcionar na Lua a partir de 2030

  • Para que o projeto siga em testes para comprovar a viabilidade de ferrovias serem feitas na Lua, foi investido US$ 600.000.
  • O líder do FLOAT é Ethan Schaler, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.
  • No ritmo que as capacidades tecnológicas têm mostrado o que podem fazer no projeto, há previsões que indicam uma infraestrutura ferroviária na Lua já na década de 2030.
(Imagem: Dima Zel/Shutterstock)

O post Ferrovias na Lua? Já existe um estudo em andamento; conheça apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Origem da Notícia
https://olhardigital.com.br/2024/05/08/ciencia-e-espaco/ferrovias-na-lua-ja-existe-um-estudo-em-andamento-conheca/
Autor: {autor}

No futuro da exploração de recursos da Lua, imaginamos que astronautas precisarão transportar minerais ou outros elementos para as bases utilizando veículos como carros ou buggies espaciais. Mas a superfície lunar nem sempre é a mais tranquila para este tipo de trabalho.

Pensando em tornar essa metodologia mais prática, pesquisadores estão considerando algo bem diferente: um sistema ferroviário que levita e serviria para melhorar o transporte na Lua.

Trata-se de um projeto da NASA chamado FLOAT, sigla para Flexible Levitation On A Track, ou em português, Levitação Flexível em uma Rodovia. O resultado seria conseguir obter, na Lua, um método de fornecer transporte de carga útil autônomo, confiável e eficiente.

Leia mais:

Veja também  Covid-19 retrocedeu em uma década os níveis globais de expectativa de vida

O objetivo é mover cargas úteis de e para zonas de pouso de espaçonaves até a base e transportar solo lunar (regolito) do local de mineração para o local onde os recursos são extraídos ou onde o solo é usado para construção.

Os trilhos para essa rodovia não seriam fixos. Apesar de instalados no solo da Lua, teriam robôs “levitantes” que se movendo sobre os trilhos, que podem, a partir disso, se prevenir de acabarem danificados na planície sinuosa da Lua.

A trilha é flexível e feita de uma camada de grafite que permite a levitação diamagnética, enquanto um circuito flexível gera impulso eletromagnético. Há uma camada é opcional, um painel solar para que, quando exposto à luz solar, o sistema nem necessite de energia externa.

Embora os robôs possam ter tamanhos diferentes, a equipe estima que 100 toneladas de material podem ser movimentadas por vários quilômetros todos os dias.

A próxima fase de testes do projeto FLOAT terá a fabricação de uma versão reduzida do sistema a ser testada em um ambiente análogo à Lua, bem como em uma melhor compreensão dos impactos ambientais nas pistas e nos robôs, e no que mais é necessário para transformar este conceito em realidade.

Projeto FLOAT poderia funcionar na Lua a partir de 2030

  • Para que o projeto siga em testes para comprovar a viabilidade de ferrovias serem feitas na Lua, foi investido US$ 600.000.
  • O líder do FLOAT é Ethan Schaler, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.
  • No ritmo que as capacidades tecnológicas têm mostrado o que podem fazer no projeto, há previsões que indicam uma infraestrutura ferroviária na Lua já na década de 2030.
Veja também  Rede 4G da Nokia na Lua pode ser ativada este ano
(Imagem: Dima Zel/Shutterstock)

O post Ferrovias na Lua? Já existe um estudo em andamento; conheça apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: