Gigantes de Nazaré: segurança e recordes no evento de surfe de ondas gigantes


As atletas que se aventuram no mar de Nazaré, em Portugal, agora passam por um treinamento de respiração que é fundamental para a sobrevivência de quem se arrisca nessas ondas. Surfistas usam técnica de respiração em surfe de ondas gigantes
O Esporte Espetacular vai mostrar o Gigantes de Nazaré, em Portugal. Os atletas que se aventuram nesse mar agora passam por um treinamento de respiração.
A revolução passa por esses objetos que medem 14 centímetros. Os quatro tubinhos de CO2 ficam acoplados nos coletes de cada um dos surfistas e funcionam como um botão de emergência. Assim que acionados, o coletes inflam e o atletas chegam na superfície.
Esse mecanismo de segurança salva vidas. Da mesma forma que o trabalho das equipes de retaguarda. Os spotters, por exemplo, ficam na falésia, no alto observando e informando às equipes de resgate onde exatamente os surfistas estão depois de um caldo, quando eles caem na água. Ou seja, existe toda uma estratégia montada em Nazaré pra que a saúde dos que encaram essas ondas seja preservada.
“Um surfe num dia de onda grande é uma operação náutica que a gente tem que movimentar alguns jets, tem que movimentar os câmeras, os spotters, uma operação de segurança. Então, não é apenas pegar, botar prancha debaixo da asa, passar parafina, ir pra dentro da água”, afirma Ian Consenza, surfista.
Outra maneira de reforçar a segurança é o investimento na preparação física e mental dos atletas. Durante um caldo, por exemplo, muitos surfistas ficam 30, 40 segundos sem respirar, embaixo d´água, num ambiente de tensão. Por isso, o treinamento de apneia se tornou rotina pra muitos deles.
Surfista Will Santana em treinamento para apneia
Reprodução/JN
No treinamento estático, o Will Santana já chegou a ficar cinco minutos e vinte segundos sem respirar. E há o treinamento em movimento, andando pela piscina, com pesos presos na cintura.
“O meu psicológico ele é tão bom por causa da minha confiança na apneia. Então, em situações extremas, eu falo pra mim mesmo: o pior que aconteça, eu treinei, eu tô preparado”, conta Will Santana, surfista e mergulhador.
“Apneia eu acho que é, vamos falar assim, 50% da preparação mental do atleta. Quando você sabe que você tem uma apneia muito boa, você entra na água com muito mais tranquilidade”, afirma Lucas Chumbo, tetracampeão mundial de surfe de ondas gigantes.
E especialmente nesta edição do Gigantes de Nazaré de 2024, o preparo físico dos atletas foi muito exigido. Eles enfrentaram algumas das condições mais desafiadoras da última década: vento, chuva e ondas imensas.
Lucas Chumbo, por exemplo, pode ter batido o recorde mundial de maior onda surfada, que ainda vai ser analisada oficialmente pra saber o tamanho exato.
Recorde de maior onda já surfada, pelo alemão Sebastian Steudtner
Reprodução/JN
Chumbo rivalizou no mar com o alemão Sebastian Steudtner, o atual recordista. Em 2020, Steudtner pegou uma onda de 26,21 metros.
Nesta edição do Gigantes, ambos estavam amparados por um time de peso. Os melhores do planeta, lado a lado, livres de acidentes.
LEIA TAMBÉM
Lucas Chumbo disputa com alemão o recorde de maior onda do mundo
‘Vi a morte de perto’: como é surfar as ondas gigantes de Nazaré

Veja também  No Rancho Fundo: personagem de Andrea Beltrão, Zefa Leonel lidera a família com pulso firme

Powered by WPeMatico

Origem da Noticia
https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2024/03/30/gigantes-de-nazare-seguranca-e-recordes-no-evento-de-surfe-de-ondas-gigantes.ghtml
Autor: {authorlink}

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: