‘Mão de Deus’ parece tentar capturar uma galáxia em imagem impressionante

Cientificamente chamada de CG 4, a “Mão de Deus” é um fenômeno celeste cativante situado a cerca de 1.300 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Puppis, dentro da galáxia Via Láctea

Este objeto fascinante faz parte da classe dos glóbulos cometários, uma categoria desafiadora de detectar entre os glóbulos de Bok, que são densas nuvens de gás e poeira rodeadas por material ionizado e quente.

Embora o nome possa sugerir uma conexão direta com cometas, os glóbulos cometários como o CG 4 não têm uma relação com esses corpos celestes. A designação vem do fato de que apresentam uma estrutura semelhante à cauda de um cometa, resultado do arrastamento de material que cria essa aparência distinta.

Uma imagem aproximada da CG 4 alinhando-se com a galáxia de borda espiral ESO 257-19 (PGC 21338), sendo que os dois estão na verdade a 100 milhões de anos-luz de distância. Perto da cabeça do glóbulo cometário estão dois objetos estelares jovens (YSOs). Crédito: CTIO/NOIRLab/DOE/NSF/AURA

Origem da estrutura dos glóbulos comentários é desconhecida

A origem exata da estrutura dos glóbulos cometários ainda é um mistério para os cientistas. Algumas teorias sugerem que ela pode ser moldada por ventos estelares provenientes de estrelas massivas próximas ou até mesmo por supernovas resultantes do fim explosivo dessas estrelas.

O CG 4 se destaca pela sua cauda característica, uma extensão tênue de gás e poeira com oito anos-luz de comprimento e uma ponta de 1,5 ano-luz de largura. Essa característica é notável nas imagens captadas pela Câmera de Energia Escura (DECam), um instrumento instalado no Telescópio Victor M. Blanco de 4 metros, no Observatório Interamericano Cerro Tololo, localizado a 2.200 metros de altitude no Chile. 

Essas imagens estão lançando luz sobre o mistério dos glóbulos cometários e contribuindo para a compreensão da formação das nebulosas de Bok.

Nebulosas de Bok, como o CG 4, permaneceram ocultas até a década de 1970 devido à sua fraca luminosidade e à cobertura de poeira estelar que obscurecia suas caudas.

Para capturar imagens claras desses objetos, a DECam utiliza um filtro de hidrogênio-alfa que revela o gás ionizado. Isso proporciona imagens onde o brilho vermelho do hidrogênio dentro do CG 4 é visível, delineando sua forma peculiar.

Veja também  Agência espacial europeia planeja criar ‘eclipse artificial’ com satélites

Leia mais:

Galáxia está a mais de 100 milhões de anos-luz da ‘garra cósmica’

A aparência de garra de lagosta do CG 4 em direção à galáxia espiral ESO 257-19, embora pareça movimento de captura, é apenas uma ilusão de perspectiva. A galáxia está segura a uma distância de aproximadamente 100 milhões de anos-luz da CG 4.

Mesmo que estivesse mais próxima, a galáxia estaria fora do alcance das garras do CG 4 devido à mesma radiação que cria sua aparência distinta também contribuir para sua dissipação gradual. No entanto, dentro do glóbulo ainda há material suficiente para formar novas estrelas.

A nebulosa Gum 12, lar de muitos glóbulos Bok, vista sobre o deserto do Atacama, no norte do Chile. Crédito: P. Horálek/ESO

Esses glóbulos cometários estão localizados principalmente na Nebulosa da Gengiva, também conhecida como “Gum 12”, a cerca de 1.400 anos-luz de distância. Acredita-se que essa nebulosa seja o resíduo de uma explosão de supernova ocorrida há cerca de um milhão de anos.

A complexidade desses fenômenos celestes continua a intrigar os cientistas, que exploram diversas teorias para explicar sua origem e evolução no vasto cenário cósmico.

O post ‘Mão de Deus’ parece tentar capturar uma galáxia em imagem impressionante apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Origem da Notícia
https://olhardigital.com.br/2024/05/08/ciencia-e-espaco/mao-de-deus-parece-tentar-capturar-uma-galaxia-em-imagem-impressionante/
Autor: {autor}

Cientificamente chamada de CG 4, a “Mão de Deus” é um fenômeno celeste cativante situado a cerca de 1.300 anos-luz de distância da Terra, na constelação de Puppis, dentro da galáxia Via Láctea

Este objeto fascinante faz parte da classe dos glóbulos cometários, uma categoria desafiadora de detectar entre os glóbulos de Bok, que são densas nuvens de gás e poeira rodeadas por material ionizado e quente.

Veja também  HDMI: entenda as diferenças entre cabos e veja como escolher o ideal

Embora o nome possa sugerir uma conexão direta com cometas, os glóbulos cometários como o CG 4 não têm uma relação com esses corpos celestes. A designação vem do fato de que apresentam uma estrutura semelhante à cauda de um cometa, resultado do arrastamento de material que cria essa aparência distinta.

Uma imagem aproximada da CG 4 alinhando-se com a galáxia de borda espiral ESO 257-19 (PGC 21338), sendo que os dois estão na verdade a 100 milhões de anos-luz de distância. Perto da cabeça do glóbulo cometário estão dois objetos estelares jovens (YSOs). Crédito: CTIO/NOIRLab/DOE/NSF/AURA

Origem da estrutura dos glóbulos comentários é desconhecida

A origem exata da estrutura dos glóbulos cometários ainda é um mistério para os cientistas. Algumas teorias sugerem que ela pode ser moldada por ventos estelares provenientes de estrelas massivas próximas ou até mesmo por supernovas resultantes do fim explosivo dessas estrelas.

O CG 4 se destaca pela sua cauda característica, uma extensão tênue de gás e poeira com oito anos-luz de comprimento e uma ponta de 1,5 ano-luz de largura. Essa característica é notável nas imagens captadas pela Câmera de Energia Escura (DECam), um instrumento instalado no Telescópio Victor M. Blanco de 4 metros, no Observatório Interamericano Cerro Tololo, localizado a 2.200 metros de altitude no Chile. 

Essas imagens estão lançando luz sobre o mistério dos glóbulos cometários e contribuindo para a compreensão da formação das nebulosas de Bok.

Nebulosas de Bok, como o CG 4, permaneceram ocultas até a década de 1970 devido à sua fraca luminosidade e à cobertura de poeira estelar que obscurecia suas caudas.

Para capturar imagens claras desses objetos, a DECam utiliza um filtro de hidrogênio-alfa que revela o gás ionizado. Isso proporciona imagens onde o brilho vermelho do hidrogênio dentro do CG 4 é visível, delineando sua forma peculiar.

Leia mais:

Veja também  Como proteger seu celular e cartão de golpes no Carnaval?

Galáxia está a mais de 100 milhões de anos-luz da ‘garra cósmica’

A aparência de garra de lagosta do CG 4 em direção à galáxia espiral ESO 257-19, embora pareça movimento de captura, é apenas uma ilusão de perspectiva. A galáxia está segura a uma distância de aproximadamente 100 milhões de anos-luz da CG 4.

Mesmo que estivesse mais próxima, a galáxia estaria fora do alcance das garras do CG 4 devido à mesma radiação que cria sua aparência distinta também contribuir para sua dissipação gradual. No entanto, dentro do glóbulo ainda há material suficiente para formar novas estrelas.

A nebulosa Gum 12, lar de muitos glóbulos Bok, vista sobre o deserto do Atacama, no norte do Chile. Crédito: P. Horálek/ESO

Esses glóbulos cometários estão localizados principalmente na Nebulosa da Gengiva, também conhecida como “Gum 12”, a cerca de 1.400 anos-luz de distância. Acredita-se que essa nebulosa seja o resíduo de uma explosão de supernova ocorrida há cerca de um milhão de anos.

A complexidade desses fenômenos celestes continua a intrigar os cientistas, que exploram diversas teorias para explicar sua origem e evolução no vasto cenário cósmico.

O post ‘Mão de Deus’ parece tentar capturar uma galáxia em imagem impressionante apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: