NASA divulga vídeo da explosão solar mais poderosa dos últimos tempos

Um monstruoso agrupamento hiperativo de manchas no Sol tem produzido numerosas erupções extremas nos últimos dias, a maioria delas direcionada para a Terra. 

Conforme noticiado pelo Olhar Digital, essa região, denominada AR3664, vem crescendo consideravelmente há dias e já se estende por quase 200 mil km de ponta a ponta. Isso quer dizer que ela está cerca de 15 vezes mais larga que a Terra, podendo ser vista facilmente usando óculos de proteção de eclipse. 

Até terça-feira (14), essa área do Sol já havia disparado oito erupções de classe X (tipo mais forte) em uma semana, sendo a mais poderosa delas uma X8.7 produzida às 13h55 (pelo horário de Brasília) – que você pode ver no vídeo abaixo, divulgado pela NASA no X (antigo Twitter).

Depois desse episódio, essa mesma região produziu mais dois surtos X no mesmo dia, um X1.2 e um X3.5. A explosão X8.7 tornou-se um evento histórico, sendo a 17ª maior erupção solar já observada.

Além disso, é a maior explosão registrada no atual ciclo solar de 11 anos, que começou em dezembro de 2019 e está próximo do pico de atividade, segundo os cientistas.

“A região 3664 produziu mais uma explosão de raios-X à medida que se move além do membro solar ocidental!! Desta vez, foi uma erupção X8.7, a maior deste ciclo solar!”, diz a atualização do Centro de Previsão do Tempo Espacial da Administração Nacional e Atmosférica dos EUA (NOAA) emitida nesta tarde.

Explosão solar gigantesca não deve produzir auroras baixas

As explosões solares são disparos intensos de radiação eletromagnética que se originam de manchas na superfície do Sol. Esses eventos são classificados em grupos de letras de acordo com o tamanho, com as explosões de classe X sendo as mais poderosas. Dentro de cada uma dessas classes, números de 1 a 10 denotam a força relativa da erupção.

Veja também  Mickey Mouse “das antigas” entra em domínio público

Apesar do tamanho monstruoso desta recente explosão da classe X8.7, o episódio não deve fazer com que a aurora boreal pareça muito mais abaixo no globo do que o habitual. “Devido à sua localização, qualquer ejeção de massa coronal (CME) associada a esta erupção provavelmente não terá nenhum impacto geomagnético na Terra”, diz a NOAA.

Leia mais:

No entanto, como apontado pela plataforma de meteorologia e climatologia espacial SpaceWeather.com, na localização atual do agrupamento de manchas AR3664, há uma conexão entre essa região do Sol e a Terra que está causando apagões de rádio contínuos. 

Há relatos de toda a Austrália e do Leste Asiático de frequências de 20 MHz ou menos experimentando um apagão quase completo.

À medida que a monstruosa mancha solar gira sobre a borda ocidental do Sol, ela entra em um local que a une magneticamente à Terra. Uma aceleração de alta velocidade de partículas carregadas, ou prótons, do AR3664 salta nesta autoestrada espacial superrápida que é chamada de espiral Parker.

Este é basicamente um trem bala de prata de alta velocidade no qual as partículas magnéticas podem pegar carona do Sol para a Terra. As correntes elétricas do Sol criam um campo magnético multiplex que, à medida que se aventura no espaço entre planetas, dá origem ao campo magnético interplanetário. 

Enquanto o Sol gira, o vento solar transporta o campo magnético para o espaço, formando uma grande espiral giratória de partículas carregadas.

À medida que as partículas chegam ao campo magnético da Terra, os prótons giram e vão em direção aos polos, onde reagem com a nossa atmosfera e começam a causar problemas para as transmissões de sinais de rádio de ondas curtas.

O post NASA divulga vídeo da explosão solar mais poderosa dos últimos tempos apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Origem da Notícia
https://olhardigital.com.br/2024/05/15/ciencia-e-espaco/nasa-divulga-video-da-maior-explosao-solar-dos-ultimos-tempos/
Autor: {autor}

Veja também  NBA: onde assistir aos jogos da temporada 2023-24

Um monstruoso agrupamento hiperativo de manchas no Sol tem produzido numerosas erupções extremas nos últimos dias, a maioria delas direcionada para a Terra. 

Conforme noticiado pelo Olhar Digital, essa região, denominada AR3664, vem crescendo consideravelmente há dias e já se estende por quase 200 mil km de ponta a ponta. Isso quer dizer que ela está cerca de 15 vezes mais larga que a Terra, podendo ser vista facilmente usando óculos de proteção de eclipse. 

Até terça-feira (14), essa área do Sol já havia disparado oito erupções de classe X (tipo mais forte) em uma semana, sendo a mais poderosa delas uma X8.7 produzida às 13h55 (pelo horário de Brasília) – que você pode ver no vídeo abaixo, divulgado pela NASA no X (antigo Twitter).

Depois desse episódio, essa mesma região produziu mais dois surtos X no mesmo dia, um X1.2 e um X3.5. A explosão X8.7 tornou-se um evento histórico, sendo a 17ª maior erupção solar já observada.

Além disso, é a maior explosão registrada no atual ciclo solar de 11 anos, que começou em dezembro de 2019 e está próximo do pico de atividade, segundo os cientistas.

“A região 3664 produziu mais uma explosão de raios-X à medida que se move além do membro solar ocidental!! Desta vez, foi uma erupção X8.7, a maior deste ciclo solar!”, diz a atualização do Centro de Previsão do Tempo Espacial da Administração Nacional e Atmosférica dos EUA (NOAA) emitida nesta tarde.

Explosão solar gigantesca não deve produzir auroras baixas

As explosões solares são disparos intensos de radiação eletromagnética que se originam de manchas na superfície do Sol. Esses eventos são classificados em grupos de letras de acordo com o tamanho, com as explosões de classe X sendo as mais poderosas. Dentro de cada uma dessas classes, números de 1 a 10 denotam a força relativa da erupção.

Veja também  Cidade brasileira poderá ser segunda mais quente do mundo até 2050; saiba qual

Apesar do tamanho monstruoso desta recente explosão da classe X8.7, o episódio não deve fazer com que a aurora boreal pareça muito mais abaixo no globo do que o habitual. “Devido à sua localização, qualquer ejeção de massa coronal (CME) associada a esta erupção provavelmente não terá nenhum impacto geomagnético na Terra”, diz a NOAA.

Leia mais:

No entanto, como apontado pela plataforma de meteorologia e climatologia espacial SpaceWeather.com, na localização atual do agrupamento de manchas AR3664, há uma conexão entre essa região do Sol e a Terra que está causando apagões de rádio contínuos. 

Há relatos de toda a Austrália e do Leste Asiático de frequências de 20 MHz ou menos experimentando um apagão quase completo.

À medida que a monstruosa mancha solar gira sobre a borda ocidental do Sol, ela entra em um local que a une magneticamente à Terra. Uma aceleração de alta velocidade de partículas carregadas, ou prótons, do AR3664 salta nesta autoestrada espacial superrápida que é chamada de espiral Parker.

Este é basicamente um trem bala de prata de alta velocidade no qual as partículas magnéticas podem pegar carona do Sol para a Terra. As correntes elétricas do Sol criam um campo magnético multiplex que, à medida que se aventura no espaço entre planetas, dá origem ao campo magnético interplanetário. 

Enquanto o Sol gira, o vento solar transporta o campo magnético para o espaço, formando uma grande espiral giratória de partículas carregadas.

À medida que as partículas chegam ao campo magnético da Terra, os prótons giram e vão em direção aos polos, onde reagem com a nossa atmosfera e começam a causar problemas para as transmissões de sinais de rádio de ondas curtas.

O post NASA divulga vídeo da explosão solar mais poderosa dos últimos tempos apareceu primeiro em Olhar Digital.

Powered by WPeMatico

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: