Prefeita cobra ‘respeito’ após afegãos serem levados para Praia Grande, SP, sem que ela soubesse: ‘temos regras’


Raquel Chini (PSDB) afirmou à TV Tribuna, afiliada da Globo, que está esperando que os governos estadual e federal façam a sua parte em relação aos refugiados no município. Prefeita de Praia Grande, Raquel Chini (PSDB), diz que ninguém conversou com ela a respeito de chegada de afegãos no município
TV Tribuna/Reprodução
A prefeita de Praia Grande, no litoral de São Paulo, cidade onde os 128 refugiados afegãos foram abrigados em uma colônia de férias do Sindicato dos Químicos, cobrou apoio e ajuda dos governos federal e estadual. Em entrevista à TV Tribuna, afiliada da Globo, Raquel Chini (PSDB) disse que só soube da chegada dos afegãos quando eles já estavam na estrada em direção ao município.
“Praia Grande foi escolhida na verdade. Ninguém conversou comigo a respeito. Fomos surpreendidos com a vinda deles quando já estavam na estrada”, disse a prefeita, que afirmou só ter começado discutir o acolhimento aos refugiados quando estes estavam prestes a chegar à cidade.
“Abri as portas imediatamente, só não sabia que no minuto seguinte eu já estava publicada nas redes sociais e em portarias com obrigações para o município”, reclamou Raquel.
Diante da situação, a chefe do Executivo de Praia Grande disse ter pedido que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, entrasse em contato para que fossem estabelecidas regras e responsabilidades.
“Acho que tem que ter o mínimo de respeito com a cidade. Respeito com a governante. Isso aqui é uma cidade que recebe a todos, mas temos regras, com ordem”.
A prefeita afirmou que abrigar os refugiados no município impacta na administração municipal. “Eu me preocupo. Será que vou conseguir atender todas essas pessoas? E atender a minha população também? Será que mais alguém está pensando nisso?”.
Refugiados afegãos se adaptam à nova realidade em colônia do litoral de SP
Marcela Pierotti/TV Tribuna
Ela afirmou que está esperando que os governos estadual e federal façam cumpram com o papel que lhes cabe. “Tem saúde, tem educação, tem assistência social, tem cultura, que é superdiferente, tem trabalho. Onde é que vou ter trabalho para essas pessoas? Preciso de intérprete, preciso de ajuda”.
À TV Tribuna, a Secretaria Estadual do Desenvolvimento Social informou que oferece diariamente 320 refeições entre almoço e jantar por meio do programa Bom Prato aos refugiados, e que o serviço será mantido enquanto eles estiverem no local.
Ainda de acordo com a pasta, a operação de transferência dos afegãos para Praia Grande é coordenada pelo Governo Federal, que não se posicionou até a última atualização desta reportagem.
Refugiados afegãos acolhidos em Praia Grande, SP, regularizam documentação
Leia também:
Refugiados afegãos se adaptam à nova realidade em abrigo no litoral de SP
Secretaria Nacional da Justiça quer montar plano de ação para refugiados e que cena em aeroporto não se repita mais
Após dias em aeroporto, afegãos dormem primeira noite em abrigo e são vacinados no litoral de SP
Veja como é a colônia de férias onde grupo de afegãos está abrigado no litoral de SP; FOTOS
Refugiados afegãos recebem documentos e doação de alimentos Halal em abrigo no litoral de SP
Refugiados afegãos devem ficar um mês em Praia Grande (SP)
Matheus Croce/TV Tribuna
VÍDEOS: Mais assistidos do g1 nos últimos 7 dias

Veja também  Maria Gilda conquista duas medalhas no Parapan do Chile

Powered by WPeMatico

Origem da Noticia
https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/2023/07/07/prefeita-cobra-respeito-apos-afegaos-serem-levados-para-praia-grande-sp-sem-que-ela-soubesse-temos-regras.ghtml
Autor: {authorlink}

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: